domingo, 12 de abril de 2009

Bagaça Voadora


Talvez o titulo desse texto não lhe tenha transmitido muita confiança, achará ainda que tal título soa estranho, de mau gosto. Porém talvez consentirá que Bagaça Voadora(B.V.) é no mínimo engraçado.
Mas, Oh céus, o que significa B.V.? Diz respeito ao nome que batizamos nosso lendário time de futebol. Erámos formados por jogadores que estudavam na escola Prof° Francisco Coccaro, especificamente moradores do "Bairro Éden", garotos com idade entre 12 e 15 anos, que todos os sábados se propunham a acordar cedo para correr atrás de uma bola.
O elenco da B.V. (e que elenco!) era constantemente alterado: Mike, Dolivar, Ageu, Alan e Gerson(os irmãos), Rafael(chucrela), Tácio; eram os possíveis jogadores; é claro tinham os fixos, a gasolina do time, não por jogarem bem, mas por dar importância àquele momento desportivo, os dois saudosistas antecipados: Dersão e Eu.
Como dois detalhistas, antevíamos a futura nostalgia e sabíamos dar pela importância daqueles sábados da década de 90. Fazíamos questão de entrar em quadra todo final de semana para jogar sempre com nosso memorável time, que eu não me lembro se era uma equipe de vitórias ou derrotas. Aquela máxima mentirosa que diz que o importante é participar, talvez faça agora sentido entre essa lacuna de tempo, principalmente em se tratando de B.V.
Bagaça Voadora, nome inspirado numa música de rock, belos tempos aqueles em que se valia a pena esperar pelo final de semana. Retornávamos à segunda-feira calmamente, sem neuroses e crises modernas, um ciclo sutil que só a juventude pode proporcionar.
Contudo, o time acabou, esse fim nunca foi verbalizado, ficou tão somente subentendido. Desde então já não espero pelos finais de semana como antes, ele chega indiferente, sem avisar nem se despedir; não corremos mais atrás de bolas, corremos atrás de dinheiro para pagar as contas. Nossa juventude, será que num campo improvisado ela joga perpetualmente em algum lugar do passado? Não espero, digo isso com muita serenidade de espírito e uma resignação que brota na memória e se transfigura no rosto.
Adeus Bagaça Voadora, voe para bem longe...

sexta-feira, 10 de abril de 2009

Longa Noite

Os sonhos (acordado) se configuram na noite
é nela que planejo, que projeto, que perco o sono que nunca perdi na noite
Na noite eu mudo o percursso - talvez retome na manhã seguinte - para na noite posterior desejar diferente... ou igual.
Na noite confecciono frases para num dia dizer, ou nunca.
O mundo cabe no meu quarto na noite
O mundo na noite é meu quarto vazio e pequeno

O mundo numa noite é só um dia
Um dia numa noite é só uma vaga sensação, vaga lembrança
saudade ou alívio
O mundo, a vida, o tudo nesse espectro noturno é apenas esquecimento
Sonhar e esquecer! Esquecer que numa noite a escuridão será eterna.