terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Sem jeito

Balbuciou inseguras palavras, confundiu-se, sabia onde era aquela rua, estava no próprio bairro, porém não conseguiu explicar, nunca consegue dar referências, teve que dizer: " Dá uma perguntada ali na frente". Que vergonha.
Faltou sim àquela reunião importante. Não notaram sua ausência. Na Reunião seguinte foi o primeiro a chegar. Desconfio que não deram por ele. Pode andar durante horas no meio duma multidão sem ser notado, ainda não olharam profundamente em seus olhos, nem superficialmente andam olhando. Acostumou-se à indiferença alheia.
Num raríssimo momento de coragem encheu-se de confiança e foi falar com a menina bonita dos tempos do colégio, ela tinha a mesma quantidade de hormônios, sorriu porque se lembrava até do sobrenome dela. A garota achou curiosa a memória dele, mas não se lembrou, apressou-se na despedida e ele ficou sem jeito.
Jeito, é isso que lhe falta. Ele não tem molejo, não se encaixa, inadaptável. Arrumar uma bela garota? Difícil, até não sendo bela. Manter uma mulher? Impossível. Não aprendeu a linguagem dos namorados, corre o risco de nunca aprender.
Nunca recebeu uma carta de amor, sequer um bombom. Alguém o levaria a uma ilha deserta? Que lástima. SMS só de operadoras, ligações somente oferecendo cursos inúteis, invisível.
Não é charmoso, nem bonito, nem muito inteligente, não venceu na vida nem vencerá.
Peço para que se o virem na rua tentem convencê-lo a não fazer o que planeja, demontrem alguma espécie de carinho, de certo ele vai gostar.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Aos Meus Irmãos.

O excesso de Deus assusta.
Assusta até Deus.